Home / Drama /

A utilização da cor no filme Azul de Krzysztof Kieslowski

azul

A utilização da cor no filme Azul de Krzysztof Kieslowski

O recente ciclo com a retrospetiva da obra do realizador polaco Krzysztof Kieslowski – iniciativa conjunta, da Leopardo Filmes e da Medeia Filmes – foi uma oportunidade excelente para ver ou rever os seus filmes no grande ecrã, nomeadamente a sua internacionalmente reconhecida Trilogia das Cores.

Kieslowski criou três filmes com base nas cores da bandeira francesa, em que o azul simboliza a liberdade, o branco a igualdade e o vermelho a fraternidade. Os três filmes estão ligados por algum acontecimento mas podem perfeitamente ser vistos independentemente. Na minha opinião vale a pena ver os três, se possível na ordem acima referida.

Como forma de prestar a minha homenagem a Krzysztof Kieslowski este será também o primeiro artigo de três. Neste artigo irei fazer uma reflexão sobre o primeiro filme da trilogia: de 1993, alusivo à cor Azul.

[Nota da Autora: este artigo contem o mínimo de spoilers possível]

Fui (rever) o “Trois couleurs: Bleu” (título original) ao Teatro Municipal Campo Alegre, no Porto, com uma amiga que não perde nenhuma oportunidade de voltar a ver este filme – diz-se que já o terá visto umas 10 vezes – e chora sempre!

É realmente um filme muito especial em que me parece que qualquer pessoa se pode rever e encontrar um medo seu, o que torna cada visionamento verdadeiramente único.

Um filme de uma sensibilidade incrível que nos transporta para o seu interior fazendo-nos viver a vida dos seus personagens e emocionar de início ao fim da narrativa.

A Narrativa

trilogia das coresEste filme conta a história de Julie, esposa de um famoso compositor francês, interpretada por Juliette Binoche.

Logo no início do filme assistimos ao acidente que irá provocar a morte do seu marido e também da sua filha.

O tema da liberdade manifesta-se no modo como Juliette Binoche decide recriar a sua vida, cortando todas as ligações com a sua vida anterior, mudando-se para o centro de Paris e vivendo anonimamente.

No entanto acaba por descobrir que não consegue escapar à sua vida anterior, às recordações da sua família e à música inacabada que estava a ser composta pelo seu marido.

A Cor Azul

Impera em todo o filme uma tonalidade azul. Esta temperatura de cor, fria, para além de representar a liberdade, como foi já referido, exprime tranquilidade, serenidade e harmonia, mas também está associada à frieza, monotonia e depressão. Simboliza a água, o céu e o infinito e representa a fidelidade e a tristeza. Associada com a profundidade e estabilidade, simboliza a confiança e a lealdade.

Um ambiente azul acalma e tranquiliza pelo que o tom do filme é em simultâneo de desapego mas também de emancipação. Num importante momento da narrativa, somos confrontados com um importante adereço azul, que inicia a ação.

bleau

Julie  passa bastante tempo a nadar durante a segunda e a terceira parte do filme, o que, para além de trazer mais tonalidade azul ao filme, nos ajuda a separar as diferentes fases de evolução da personagem, uma vez que a água simboliza precisamente a limpeza e, em seguida, a regeneração.

Na minha opinião a expressividade de Juliette Binoche neste filme é extraordinária, comparável à sua atuação como Camille Claudel no filme “Camille Claudel 1915“, realizado por Bruno Dumont.

O primeiro, de três filmes, a não perder!

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *