Home / Atores /

10 cenas improvisadas que marcaram filmes de sucesso

cenas improvisadas

10 cenas improvisadas que marcaram filmes de sucesso

Por norma, quando vemos um filme, não questionamos sequer o seu argumento. Absolutamente rendidos com a interpretação fantástica (ou não) dos atores em cena, ficamos convencidos de que cada frase proferida pelas personagens, cada gesto executado e até mesmo cada expressão facial está de acordo com o argumento e as orientações dadas pela realização e produção do filme.

No entanto, em certos filmes emblemáticos alguns atores atreveram-se a improvisar e a sair fora do combinado no argumento. Em vez de terem recebido um “Corta!” do realizador, receberam exatamente o contrário: a aprovação de toda a equipa do filme. A cena acaba por ser incluída no filme chegando mesmo a tornar-se icónica.

Não acredita? Ao longo dos próximos parágrafos vamos desvendar alguns dos casos em que atores e atrizes decidiram dar asas à imaginação e dar forma a cenas improvisas que marcaram sem sombra de dúvidas o cinema. Prepare-se para ficar surpreendido!

10 cenas improvisadas que marcaram filmes de sucesso

O Padrinho (1972)

No famoso filme O Padrinho, Vito Corleone (interpretado por Marlon Brando) é o líder da poderosa família da máfia italiana. Através de vários diálogos a personagem de Brando impõe o seu respeito e autoridade, como se sucede por exemplo no momento em que discute a morte de um homem que tinha espancado uma jovem mulher. Os fãs saberão de certo que esta cena conta com a presença de um gato que Vito Corleone vai acariciando enquanto fala, calmamente, sobre o que deve ser feito. Esta situação foi totalmente improvisada: o gato não fazia sequer parte do argumento do filme.

Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008)


Uma das cenas mais conhecidas e impressionantes na história da carreira de Heath Ledger foi a personagem de Joker. No entanto, são poucos os fãs a saber que a cena em que a personagem bate palmas de forma lenta foi totalmente inusitada, um ato de improviso de Heath Ledger. No mesmo filme, o ator voltou ainda a dar o seu toque de improviso a Joker, fingindo que o disparador de uma bomba estava preso quando, na verdade, tudo o que tinha a fazer era sair do hospital.

RoboCop (1987)

No filme RoboCop, na cena em que Clarence Boddicker (Kurtwood Smith) é levado pela polícia, vemo-lo a cuspir uma bola de sangue para um papel e a  dizer “Dá-me o meu maldito telefonema!”. Esta cena, que foi totalmente improvisada, acabou por merecer a aprovação de Paul Verhoeven que acabou por incluí-la no filme.

Pretty Woman (1990)

Todos conhecemos a história romântica do filme Pretty Woman. Nesta longa metragem, Edward Lewis (Richard Gere) oferece a Vivian Ward (Julia Roberts) um colar. No momento em que Vivian estica a mão para tocar no colar, Edward fecha a caixa. Este pequeno improviso por parte de Richard Gere provocou de tal forma uma gargalhada a Julia Roberts que o realizador, Garry Marshall, decidiu incluia-la no filme.

Quero Ser John Malkovich (1999)

Na cena em que John Malkovich está a andar pela rua e passa um carro que lhe tira uma lata, o ator grita totalmente surpreendido: surpreendido até de mais. Esta cena, que foi incluída no filme, foi totalmente inesperada e improvisada. O carro que passou na rua não era do conhecimento de ninguém da equipa de produção mas, por ser tão real e genuíno, gerou uma cena digna de ser incluída na edição final.

Harry Potter e a Câmara dos Segredos (2002)

No segundo filme de Harry Potter, depois do feiticeiro regressar vitorioso da Câmara dos Segredos, a personagem de Lucius Malfoy (Interpretada por Jason Isaacs) recebe uma descompostura por parte de Dumbledore. Ao deixar o gabinete, o ator sentiu no entanto que lhe faltava pronunciar uma linha e decidiu sair fora do argumento. Assim, diz “Esperemos que o Mr. Potter esteja sempre lá para salvar o dia”. A cena, totalmente improvisada, recebeu um improviso de volta: Daniel Radcliffe, com apenas 12 anos, respondeu algo que Isaacs não esperava: “Não se preocupe. Lá estarei.”

Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca (1980)

No segundo filme da saga original de Star Wars, quando Han Solo (interpretado por Harrison Ford) está prestes a ser congelado, a Princesa Leia (Carrie Fisher) revela o seu amor pela personagem. Todavia, como os fãs sabem, Han Solo responde depois: “Eu sei”. Esta fala, no entanto, foi pura improvisação. O argumento original mostra Han Solo a retribuir o seu amor a Leia, respondendo que também a ama.

O Resgate do Soldado Ryan (1998)

Neste clássico do cinema, acompanhamos a história do capitão Miller – vivido por Tom Hanks. Numa das cenas do filme, quando Miller faz uma pausa no combate e se encontra com Ryan (Matt Damon) para trocar histórias sobre como idealiza o regresso a casa, Ryan conta uma história acerca dos seus irmãos. Ainda assim, esta pequena história comovente não consta no argumento: tudo partiu da imaginação de Damon.

Tubarão (1975)

No filme Tubarão, na cena em que o oficial de polícia Brody (Roy Scheider) tem o primeiro contato com o tubarão e percebe a sua dimensão, levanta-se com pressa e, improvisando, fala com o capitão Quint, apontando de que necessitará de um barco maior para lidar com a criatura marítima. Esta frase, que se tornou icónica, foi também improvisada por Roy Scheider no momento de representar.

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *