Home / Cinema Europeu /

Obras-Primas do Cinema Europeu: L’Age d’Or, Choque de Imagens de Luís Buñuel

Obras-Primas do Cinema Europeu: L’Age d’Or, Choque de Imagens de Luís Buñuel

  

Luís Buñuel (1900-1983) inicia a sua carreira cinematográfica realizando, de plano, 2 filmes básicos do cinema, ambos de vanguarda, ambos surrealistas, além de excelentes.

A Idade do Ouro (L’Age d’Or, França, 1930) revela um diretor forrado de ampla cultura humanística e artística e com perfeito domínio da linguagem cinematográfica.

Tais atributos, à evidência, não são congênitos, mas, adquiridos com estudo, esforço e observação. Música, artes plásticas e imagens ligam-se na composição de obra cinematográfica elaborada com rigor, liberdade, ousadia e criatividade.

Ao espetáculo opõe-se a arte; ao convencional, o insólito; ao compreensível, a alusão; ao contextual, o fragmentário; ao previsível, a surpresa; à restrição, a liberdade; ao explícito, o subtendido.

A beleza das imagens e a perfeição pictórica dos enquadramentos respaldam temática trabalhada ao nível do significante (forma) e não apenas do significado (conceito). Este restringe-se a sentido único, atribuído e  perfilhado pelo autor, enquanto aquele permite várias leituras e direções.

Se este não passa de revólver de um tiro só, aquele é verdadeira metralhadora giratória, espalhando petardos para todos os lados, excetuado, compreensivelmente, o do atirador.

Buñuel é alusivo e não explicativo, fazendo com que o choque das imagens – mais do que sua simples sucessão – ao invés de desencadear fatos e acontecimentos, revele o imponderável das coisas tornadas ininteligíveis à mera abordagem convencional.

Se não há liame perceptível entre a circunstância de uma vaca estar sobre uma cama e a face da personagem enamorada apresentar-se coberta de sangue e nem ao menos dê-se explicação para tais ocorrências, a questão é que esses  e outros fatos dimensionam a liberdade, quebrando drasticamente os limites estabelecidos  pela realidade da matéria, compondo um mundo surreal, indefinível e incontrolável como os sonhos.

Esse inconformismo explícito contra restrições, impossibilidades e incapacidade física do indivíduo para atender a anseios e volições corresponde à liberdade imaginativa, intelectual e artística.

Se há balizas – e estritas – à atividade humana, sejam as físicas, sejam as convencionadas e impostas pela estrutura social, que impedem a aventura e a livre locomoção, resta, como viabilidade – raramente aproveitada e, quando o seja, apenas por poucos artistas – a deflagração do pensamento, da imaginação e da criação artística, irrestritos por natureza e só passíveis de estreiteza e amesquinhamento pela deficiência particular do indivíduo, não da espécie.

Se o ser humano normalmente é coarctado em concepções e realizações, o artista não o é, já que se utiliza da liberdade, faculdades e possibilidades que também lhe concede a condição humana. Um deles é Luis Buñuel. Um de seus exemplos, L’Age d’Or.

CONHEÇA TODAS AS OBRAS DE LUIS BUÑUEL NAS LOJAS ONLINE

AMAZON REINO UNIDO

AMAZON INTERNACIONAL

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *