Home / Festivais de Cinema /

Conheça os filmes premiados do IndieLisboa 2017

indielisboa 2017

Conheça os filmes premiados do IndieLisboa 2017

Share this article

      

O IndieLisboa é um local privilegiado para a descoberta de novos autores e tendências do cinema mundial e integra uma competição de longas e curtas metragens de novos realizadores. Mantendo o seu foco na criatividade e independência dos autores, o IndieLisboa é reconhecido como um dos mais importantes festivais de cinema em Portugal.

A 14ª edição do IndieLisboa teve lugar de 3 a 14 de Maio de 2017. O realizador boliviano Kiro Russo volta a ser premiado neste festival com VIEJO CALAVERA, que vence o Grande Prémio de Longa Metragem Cidade de Lisboa.

O júri da competição internacional galardoou ainda ARÁBIA, de Affonso Uchôa e João Dumans, com o Prémio Especial do Júri Canais TVCine & Séries. O Prémio Allianz – Ingreme para Melhor Longa Metragem Portuguesa foi entregue a ENCONTRO SILENCIOSO, de Miguel Clara Vasconcelos e o Prémio Ingreme para Melhor Curta Metragem Portuguesa foi atribuído a MIRAGEM MEUS PUTOS, de Diogo Baldaia. O Grande Prémio de Curta Metragem foi entregue a WIEZI/CLOSE TIES, de Zofia Kowalewska.

Conheça o Palmarés completo da 14ª edição do IndieLisboa

O Júri da Competição Internacional composto por: Giona A. Nazzaro, Manuel Mozos e Paz Lázaro decidiu entregar o Grande Prémio de Longa Metragem Cidade de Lisboa ao filme VIEJO CALAVERA, de Kiro Russo por este ser: “Uma obra de rigor e genialidade deslumbrantes. Um retrato bem-sucedido de perda e angústia, entre as contradições e transformações da indústria mineira boliviana. Um filme sobre a dignidade e a resiliência do trabalho e a beleza do cinema. Viejo Calavera é a revelação de Kiro Russo, um grande talento que começa a surpreender-nos com sua visão única e o seu olhar poderoso.”

O Prémio Especial do Júri Canais TVCine & Séries foi entregue a ARÁBIA, de Affonso Uchôa e João Dumans (Brasil).

O Júri da Competição Internacional de Curtas Metragens composto por: Filipe Abranches, Katja Pratschke e Richard Raskin atribuiu o Grande Prémio de Curta Metragem ao filme WIEZI/CLOSE TIES, de Zofia Kowalewska (Polónia).

O Prémio de Melhor Animação – Curta Metragem, patrocinado pelo Turismo de Macau, foi entregue a: 489 YEARS, de Hayoun Kwon (França).

O Prémio de Melhor Documentário – Curta Metragem, patrocinado pelo Turismo de Macau, foi entregue a: THE HOLLOW COIN, de Frank Heath (EUA).

O Prémio de Melhor Ficção – Curta Metragem, patrocinado pelo Turismo de Macau, foi entregue a: LE FILM DE L’ÉTÉ, de Emmanuel Marre (França, Bélgica)

O Júri da Competição Nacional, composto por: Antoine Barraud, Maike Mia Höhne e Paulo Bertolín atribuiu o Prémio Allianz – Ingreme para Melhor Longa Metragem Portuguesa ao filme: ENCONTRO SILENCIOSO, de Miguel Clara Vasconcelos (Portugal).

O Prémio Ingreme para Melhor Curta Metragem Portuguesa foi entregue a: MIRAGEM MEUS PUTOS, de Diogo Baldaia (Portugal).

 

O Prémio Novo Talento FCSH/Nova – Curta Metragem foi entregue a: FLORES, Jorge Jácome (Portugal).

O Prémio Walla Collective para Melhor Filme da Secção Novíssimos foi entregue a: OS CORPOS QUE PENSAM, de Catherine Boutaud (França, Portugal)

O Júri IndieMusic, composto por: Joana Sá, Mário Valente e Tó Trips atribuiu o Prémio Indiemusic Schweppes a: TONY CONRAD: COMPLETELY IN THE PRESENT, de Tyler Hubby (EUA, Reino Unido).

O Júri Árvore da Vida composto por: Inês Gil, Margarida Avillez Ataíde e Paulo Pires Alves atribuiu o Prémio Árvore da Vida Ex-aequo a: ANTÃO, O INVISÍVEL, de Maya Kosa e Sérgio da Costa (Suíça, Portugal) e NUM GLOBO DE NEVE, de André Gil Mata (Portugal).

O Júri Amnistia Internacional composto por: Fernanda Câncio, Filipa Santos e Joana Gorjão Henriques atribuiu o Prémio Amnistia Internacional a: FIND FIX FINISH, Mila Zhluktenko, Sylvain Cruiziat (Alemanha).

O Júri Universidades composto por: Leonor Sousa, Rafael Afonso e Teresa Vieira atribuiu o Prémio Universidades a: EL MAR LA MAR, de Joshua Bonnetta e J.P. Sniadecki (EUA).

O Júri Escolas composto por: Débora Mogueiro, Inês Proença e Teresa Oliveira atribuiu o Prémio Escolas a: LE FOL ESPOIR/WILD HOPE, Audrey Bauduin (França).

O Júri do Público atribuiu o Prémio do Público Longa Metragem a: VENUS, Lea Glob, Mette Carla Albrechtsen (Dinamarca, Noruega); o Prémio do Público Curta Metragem Crocs a: SCRIS/NESCRIS, Adrian Silisteanu (Roménia); o Prémio do Público IndieJúnior Escolas DoctorGummy a: BICHINHOS DO LIXO/LITTERBUGS, Peter Staney-Ward (Reino Unido); o Prémio do Público IndieJunior Famílias Trina a: O TRENÓ/THE SLED, Olesya Shchukina (Rússia).

Pode encontrar informação mais detalhada no website do Festival.

 

POSTS RELACIONADOS

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *