Home / Entrevistas /

Cinema Notebook: um projecto de vida dedicado à 7ª Arte

Cinema Notebook: um projecto de vida dedicado à 7ª Arte

 

 

Hoje começamos uma nova rubrica que espero seja do agrado não apenas dos nossos leitores, mas também de todos aqueles que desenvolvem projectos na blogosfera de língua portuguesa.

Como além de bloggers, a equipa do Mundo de Cinema é sobretudo composta por adeptos da partilha de conhecimento livre através da Internet, decidimos que estava na hora de entrevistar os autores de blogs de referência no vasto universo cinéfilo online.

Para isso lançamos um desafio a vários bloggers que não só admiramos como respeitamos, e cujo trabalho sempre serviu de inspiração para o Mundo de Cinema. Felizmente foram bastante as respostas positivas e assim hoje começamos a publicação destas entrevistas pelo Cinema Notebook, que foi o primeiro blog de cinema a responder ao nosso desafio.

Fundado em 2004, o blog fundado por Carlos Reis mantém uma regularidade exemplar, contribuindo bastante para divulgar informação de qualidade sobre cinema, séries, cultura.

Num artigo recente intitulado 13 Anos de Cinema Notebook, Carlos Reis reflecte em voz alta: “Treze anos de blogue feitos no passado dia nove de Outubro. Destes treze, os últimos onze contam com pelo menos uma publicação por dia. Sem excepções. Qual diário de uma vida cinéfila – e não só. Tantas histórias por contar, tantas mais para viver. Porque já não é um hobbie ou uma distracção; é um projecto de vida.”

Mais do que apresentar notícias ou novidades do cinema nacional e internacional, o Cinema Notebook publica análises, curiosidades, antevisões, pincelando tudo isso com humor cinéfilo, memorablia e trailers, criando assim um espaço único onde fica bem a patente a paixão do seu autor e fundador.

Carlos Reis faz tudo sozinho e assim deseja continuar, conforme explica na entrevista que publicamos em baixo e que pode ler já a seguir. Mas antes resta ainda agradecer a disponibilidade, simpatia e espírito de partilha do autor deste site sensacional, que recomendamos a todos os amantes do Cinema.

 

Confira agora a entrevista completa com Carlos Reis do Cinema Notebook

 

Mundo de Cinema (MC): Qual​ ​foi​ ​o​ ​principal​ ​motivo​ ​para​ ​o​ ​nascimento​ ​do​ ​blog?

Carlos Reis (CR): Muito​ ​tempo​ ​livre​ ​na​ ​então​ ​nova​ ​vida​ ​de​ ​universitário,​ ​uma​ ​paixão​ ​crescente​ ​pelo​ ​cinema​ ​que advinha​ ​de​ ​uma​ ​ligação​ ​quotidiana​ ​aos​ ​newsgroups​ ​nacionais​ ​e​ ​uma​ ​admiração​ ​tremenda​ ​por um​ ​blogue​ ​que​ ​surgiu​ ​uns​ ​meses​ ​antes​ ​chamado​ ​CinemaXunga.​ ​Tudo​ ​somado​ ​e​ ​pareceu-me natural​ ​criar​ ​o​ ​meu​ ​próprio​ ​espaço​ ​de​ ​opinião.

(MC): Qual​ ​é​ ​a​ ​missão​ ​do​ ​projecto?

(CR): Durante​ ​os​ ​primeiros​ ​sete​ ​ou​ ​oito​ ​anos,​ ​nunca​ ​tive​ ​uma​ ​missão​ ​ou​ ​objectivo​ ​específico​ ​com​ ​o blogue.​ ​Era​ ​um​ ​mero​ ​passatempo,​ ​uma​ ​forma​ ​de​ ​escape​ ​às​ ​responsabilidades​ ​do​ ​dia-a-dia. Hoje​ ​não.​ ​Hoje​ ​olho​ ​para​ ​o​ ​mesmo​ ​e​ ​vejo​ ​nele​ ​um​ ​livro​ ​de​ ​recordações.​ ​Um​ ​diário​ ​cinéfilo​ ​que consultarei​ ​com​ ​saudosismo​ ​daqui​ ​a​ ​cinquenta​ ​anos,​ ​relembrando​ ​momentos​ ​e​ ​histórias​ ​que de​ ​outra​ ​forma​ ​ficariam​ ​esquecidas​ ​no​ ​tempo.​ ​E​ ​imagino​ ​os​ ​meus​ ​filhos​ ​e​ ​netos​ ​a​ ​descobrirem o​ ​“cadastro”​ ​artístico​ ​do​ ​pai/avô.

(MC): Qual​ ​a​ ​regularidade​ ​das​ ​publicações​ ​de​ ​novos​ ​posts?

(CR): Há​ ​mais​ ​de​ ​dez​ ​anos​ ​que​ ​publico​ ​uma​ ​entrada​ ​por​ ​dia.​ ​Mas​ ​calma,​ ​muitas​ ​vezes​ ​é​ ​com​ ​batota. Quando​ ​não​ ​o​ ​consigo​ ​fazer​ ​no​ ​próprio​ ​dia,​ ​publico​ ​posteriormente​ ​com​ ​as​ ​datas​ ​em​ ​falta​ ​no passado,​ ​de​ ​maneira​ ​a​ ​deixar​ ​o​ ​blogue​ ​com​ ​o​ ​seu​ ​formato​ ​de​ ​diário.

(MC): Existe​ ​uma​ ​equipa​ ​por​ ​detrás​ ​do​ ​projecto?​ ​Quantos​ ​são?​ ​O​ ​blog​ ​tem​ ​abertura​ ​para​ ​receber novos​ ​colaboradores​ ​ou​ ​é​ ​um​ ​projecto​ ​fechado​ ​nesse​ ​aspecto?

(CR): Não.​ ​Sempre​ ​foi​ ​um​ ​espaço​ ​individual​ ​e​ ​assim​ ​continuará​ ​a​ ​ser.​ ​Mantenho​ ​alguns​ ​projectos colectivos,​ ​como​ ​um​ ​podcast​ ​de​ ​cinema​ ​(Nas​ ​Nalgas​ ​do​ ​Mandarim),​ ​mas​ ​o​ ​Cinema Notebook não​ ​faz​ ​sentido​ ​ser​ ​partilhado.

(MC): Fazes​ ​este​ ​trabalho​ ​de​ ​forma​ ​amadora​ ​ou​ ​profissional?​ ​A​ ​sobrevivência​ ​do​ ​projecto​ ​depende da​ ​monetização​ ​do​ ​blog​ ​(publicidade,​ ​programas​ ​de​ ​afiliados,​ ​posts​ ​patrocinados)?

(CR): De​ ​forma​ ​completamente​ ​amadora​ ​e​ ​sem​ ​recurso​ ​a​ ​qualquer​ ​tipo​ ​de​ ​monetização.​ ​Como qualquer​ ​blogue​ ​deve​ ​ser​ ​abordado​ ​e​ ​construído,​ ​na​ ​minha​ ​opinião.​ ​Pelo​ ​menos​ ​para​ ​manter algum​ ​encanto​ ​e​ ​pureza.​ ​Chamem-me​ ​um​ ​romântico​ ​da​ ​blogosfera,​ ​se​ ​quiserem,​ ​mas recuso-me​ ​a​ ​transformar​ ​o​ ​blogue​ ​num​ ​negócio,​ ​a​ ​vender-me,​ ​ainda​ ​para​ ​mais​ ​por​ ​meia​ ​dúzia de​ ​tostões.​ ​É​ ​assim,​ ​livre​ ​de​ ​promoções,​ ​publicidades,​ ​visionamentos​ ​e​ ​passatempos,​ ​que​ ​me mantenho​ ​isento​ ​e​ ​independente​ ​a​ ​cem​ ​por​ ​cento.​ ​Falo​ ​mal​ ​ou​ ​bem​ ​de​ ​quem​ ​quero,​ ​quando quero.​ ​Com​ ​ou​ ​sem​ ​razão.

(MC): A tua profissão está ligada a esta área do cinema?

(CR): Não, nada. Sou Controlador de Tráfego Aéreo.

 

(MC): Existe​ ​algum​ ​tipo​ ​de​ ​parceria​ ​com​ ​outros​ ​blogs​ ​ou​ ​marcas?​ ​Se​ ​sim,​ ​quais​ ​e​ ​qual​ ​o​ ​seu âmbito?

(CR): Não​ ​faço​ ​parcerias.​ ​Divulgo​ ​sim,​ ​por​ ​mérito​ ​próprio,​ ​qualquer​ ​espaço,​ ​projecto,​ ​filme​ ​ou publicação​ ​que​ ​mereça.​ ​Chegue​ ​lá​ ​eu​ ​sozinho​ ​ou​ ​que​ ​me​ ​peça​ ​alguma​ ​visibilidade​ ​por​ ​e-mail ou​ ​contacto​ ​no​ ​Facebook,​ ​por​ ​exemplo.​ ​E​ ​outros​ ​blogues​ ​de​ ​cinema,​ ​por​ ​manterem​ ​a​ ​chama original​ ​da​ ​blogosfera​ ​viva.​ ​Aquela​ ​que​ ​acalorava​ ​uma​ ​comunidade​ ​unida​ ​de​ ​dezenas​ ​e dezenas​ ​de​ ​blogues​ ​activos​ ​na​ ​década​ ​passada.

(MC): Qual​ ​a​ ​importância​ ​das​ ​redes​ ​sociais​ ​para​ ​o​ ​projecto?

(CR): A​ ​interacção​ ​com​ ​os​ ​leitores/seguidores​ ​passou​ ​do​ ​blogue​ ​para​ ​as​ ​redes​ ​sociais, principalmente​ ​para​ ​o​ ​Facebook​ ​e​ ​o​ ​Twitter.​ ​Foi​ ​uma​ ​evolução​ ​natural.​ ​Má​ ​para​ ​a​ ​memória​ ​- um​ ​comentário​ ​no​ ​blogue​ ​torna-se​ ​eterno​ ​e​ ​de​ ​fácil​ ​consulta,​ ​nas​ ​redes​ ​sociais​ ​perde-se rapidamente​ ​-​ ​mas​ ​bom​ ​para​ ​a​ ​discussão​ ​de​ ​ideias​ ​e​ ​para​ ​a​ ​divulgação​ ​do​ ​que​ ​é​ ​publicado. Antes​ ​uma​ ​discussão​ ​nas​ ​caixas​ ​de​ ​comentários​ ​demorava​ ​duas​ ​semanas,​ ​hoje​ ​demora​ ​duas horas.​ ​Ainda​ ​assim,​ ​faço​ ​o​ ​reencaminhamento​ ​para​ ​as​ ​redes​ ​sociais​ ​de​ ​apenas​ ​uma​ ​parte​ ​do que​ ​é​ ​publicado,​ ​talvez​ ​um​ ​em​ ​cada​ ​cinco​ ​ou​ ​seis​ ​posts.​ ​Talvez​ ​seja​ ​parvoíce,​ ​mas​ ​é​ ​uma​ ​forma de​ ​premiar​ ​quem​ ​visita​ ​o​ ​blogue.​ ​E​ ​de​ ​dar​ ​relevo​ ​ao​ ​que​ ​acaba​ ​nas​ ​redes​ ​sociais,​ ​não​ ​ser simplesmente​ ​uma​ ​enchente​ ​de​ ​informação​ ​com​ ​mero​ ​objectivo​ ​promocional.​ ​Não​ ​me interessa​ ​se​ ​um​ ​post​ ​meu​ ​tem​ ​100​ ​visualizações​ ​ou​ ​500.​ ​Interessa-me​ ​sim​ ​se​ ​tem​ ​zero comentários​ ​ou​ ​vinte.​ ​Porque​ ​o​ ​feedback​ ​sobre​ ​um​ ​certo​ ​filme,​ ​série​ ​ou​ ​opinião​ ​é​ ​fundamental para​ ​o​ ​entender​ ​melhor​ ​ou​ ​para​ ​me​ ​explicar​ ​melhor.

(MC): Gostavas​ ​ou​ ​tens​ ​intenção​ ​que​ ​este​ ​blog​ ​um​ ​dia​ ​evoluísse​ ​da​ ​Internet​ ​para​ ​se​ ​transformar num​ ​negócio,​ ​marca,​ ​serviço​ ​ou​ ​empresa?

(CR): Não,​ ​de​ ​todo.​ ​Gostaria,​ ​quem​ ​sabe,​ ​de​ ​um​ ​dia​ ​fazer​ ​parte​ ​de​ ​um​ ​projecto​ ​colectivo​ ​ligado​ ​à crítica​ ​de​ ​cinema​ ​com​ ​outras​ ​ambições,​ ​acessos​ ​e​ ​reputação​ ​-​ ​uma​ ​revista​ ​de​ ​cinema,​ ​por exemplo​ ​-,​ ​mas​ ​mantendo​ ​sempre​ ​o​ ​Cinema​ ​Notebook​ ​num​ ​plano​ ​individual​ ​e​ ​pessoal.

(MC): Qual​ ​é​ ​o​ ​balanço​ ​(face​ ​aos​ ​objectivos,​ ​resultados​ ​e​ ​feedback​ ​dos​ ​utilizadores)​ ​que​ ​é​ ​possível fazer​ ​hoje​ ​deste​ ​projecto?

(CR): Muito,​ ​muito​ ​positivo.​ ​Já​ ​conheci​ ​uma​ ​mão​ ​cheia​ ​de​ ​pessoas,​ ​hoje​ ​bons​ ​amigos,​ ​graças​ ​ao blogue​ ​e​ ​a​ ​eventos​ ​relacionados​ ​com​ ​este.​ ​Só​ ​isso​ ​é​ ​suficiente​ ​para​ ​o​ ​balanço​ ​ser​ ​mais​ ​do​ ​que positivo.

(MC): Sobre as mudanças ocorridas na indústria do Cinema e TV nos últimos anos recaem muitas opiniões diversas. O que tu achas? O Cinema no geral beneficiou com a Internet?

(CR): O que é o Cinema? A resposta de cada um a esta pergunta definirá a opinião em relação a esse tema. Na verdade, não creio sequer que a resposta seja pertinente, pois tenha beneficiado ou não, a verdade é que todos os “players” têm que se adaptar constantemente às circunstâncias e mercados de cada momento. Mas os cinéfilos e aspirantes a cinéfilos, esses, não tenho dúvida nenhuma que beneficiaram com o mundo de possibilidades, descobertas e redescobertas que a Internet oferece.

(MC): E​ ​já​ ​agora,​ ​para​ ​terminar,​ ​qual​ ​o​ ​conselho​ ​ou​ ​dicas​ ​que​ ​podes​ ​dar​ ​aos​ ​bloggers​ ​que​ ​estão​ ​a começar​ ​agora​ ​neste​ ​tipo​ ​de​ ​projectos​ ​online?

(CR): Façam-no​ ​por​ ​prazer​ ​e​ ​não​ ​por​ ​outra​ ​coisa​ ​qualquer.​ ​A​ ​quantidade​ ​de​ ​gente​ ​que​ ​conheço​ ​que criou​ ​um​ ​blogue​ ​com​ ​o​ ​objectivo​ ​de​ ​um​ ​dia​ ​receber​ ​tralhas,​ ​vouchers,​ ​convites​ ​e​ ​prendinhas em​ ​casa​ ​é​ ​triste.​ ​E​ ​resultam​ ​quase​ ​sempre​ ​no​ ​mesmo:​ ​ao​ ​fim​ ​de​ ​uns​ ​meses,​ ​acabam.​ ​É​ ​o chamado​ ​efeito​ ​das​ ​Carlotas​ ​e​ ​das​ ​Pipocas​ ​Doces.​ ​Não​ ​se​ ​esqueçam​ ​é​ ​que​ ​para​ ​cada​ ​Cristiano Ronaldo,​ ​existem​ ​quinhentos​ ​Fábios​ ​Paíns.​ ​E​ ​os​ ​Cristianos​ ​Ronaldos​ ​são​ ​o​ ​que​ ​são​ ​porque​ ​o fazem​ ​com​ ​gosto.

 

INFO E LINKS OFICIAIS CINEMA NOTEBOOK

NOME: Cinema Notebook

BLOG: http://cinemanotebook.blogspot.pt/

ANO DE CRIAÇÃO: 2004

AUTOR: Carlos Reis

FEED DO BLOG: http://cinemanotebook.blogspot.com/feeds/posts/default

FACEBOOK: https://www.facebook.com/cinemanotebook/

TWITTER: https://twitter.com/cinemanotebook

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *