Home / Cinema /

Os vilões da Disney como nunca antes os viu

Os vilões da Disney como nunca antes os viu

Ao longo dos anos a Disney sempre soube trabalhar os seus desenhos animados para criar personagens fabulosas que se encaixassem em histórias que nos prestassem lições de valor e moral. Ainda que tenhamos aprendido muito com Branca de Neve, a Pequena Sereia, o Corcunda de Notre Drama e o ladrão Aladino, também aprendemos muitos com os vilões que tornaram estas histórias possíveis.

Aliás, foram já muitas as vezes em que a Disney foi acusada de apresentar vilões – mesmo que não passassem de desenhos animados – que eram demasiado assustadores para as crianças. Basta pensarmos, por exemplo, num dos casos mais emblemáticos da Disney: o filme Fantasia 2000 apresentou um vilão tão temível e assustador que, pela altura da exibição do filme, foram muitas as crianças a pedir aos pais para deixar as salas de cinema antes do filme acabar.

Mas o que aconteceria se estes vilões fossem representados por pessoas? Seria tão assustador ou, pelo contrário, seria mais aceitável? Intrigado com esta mesma questão o designer Jirka Vinse Jonatan Väätäinen, de Helsínquia, na Finlândia, decidiu ser criativo e tentar imaginar alguns dos vilões mais conhecidos… como pessoas.

O resultado encontra-se abaixo. Através da caixa de comentários queremos saber a vossa opinião: humanizar os vilões torna-os mais assustadores ou não?

O que acontecia se os vilões da Disney fossem interpretados por pessoas?

Cruella De Vil – 101 Dálmatas

cruella

Príncipe Hans – Frozen

hans

Jafar – Aladdin

jafar

Juiz Claude Frollo – O Corcunda de Notre Dame

frollo

Gothel – Tangled

mothergothel

Úrsula – A Pequena Sereia

ursula

Gaston – A Bela e o Monstro

gaston

Rainha Má – Branca de Neve e os Sete Anões

evilqueen

Capitão Gancho – Peter Pan

captainhook

Malévola – A Bela Adormecida

maleficent

Hades – Hércules

hades

O que acharam destas imagens? Os vilões conseguem assustar mais ou nem por isso? Queremos saber através dos comentários!

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *