Home / Marketing de cinema /

Filmes que fizeram mais dinheiro em Merchandising do que na Bilheteira

Filmes que fizeram mais dinheiro em Merchandising do que na Bilheteira

by beatdigital

Share this article

Você já reparou que muitas vezes alguns filmes que parecem ter um fraco desempenho nas bilheteiras são autorizados a continuar a fazer sequelas? O merchandising cinematográfico é a razão por detrás dessa aposta das empresas de produção, que contam com esses lucros para complementar a fraca venda de bilhetes ou para compensar as receitas perdidas com filmes de baixo desempenho.

É por isso mesmo que, apesar das bilheteiras falharem, o merchandising vendido justifica o lançamento de sequelas desanimadoras – enquanto as pessoas ainda estiverem a comprar os itens relacionados com os filmes então é necessário criar uma sequela! Desde candeeiros, t-shirts, porta-chaves ou canecas personalizadas: tudo vale para render mais dinheiro!

Mas não são apenas os fracassos de bilheteira que fazem a maior parte das suas receitas na venda de merchandising. Qualquer filme incrivelmente bem sucedido tem um acordo de licenciamento em vigor para que todos possam capitalizar a sua popularidade. No caso de Star Wars, as receitas obtidas com A Força Desperta deu à Disney a margem necessária para assumir o risco de realizar um filme único como Rogue One – uma obra que tinha menos potencial de merchandising do que outros títulos da mesma saga.

O merchandising sempre fez parte da indústria cinematográfica, mas alguns filmes capitalizaram realmente em produtos de consumo de marca. Por vezes, a mercadoria vendia-se a si própria. Outras vezes, as empresas cinematográficas apresentavam brilhantes estratégias de marketing para os seus produtos. Seja como for, todos os filmes que mencionamos neste artigo obtiveram imenso sucesso fora das bilheteiras.

Guerra das Estrelas

Os filmes da Guerra das Estrelas foram os criadores da ideia de que a venda de merchandising poderia levar o seu aleatório a amar o seu produto mais do que o filme real. Desde que A New Hope foi lançado em 1977, Star Wars tem sido mais do que a luta entre os lados claro e escuro da Força. Foram brinquedos, vestuário, jogos de vídeo, e até torradeiras que queimaram a cara de Darth Vader no seu pão.

Segundo os analistas da Nielsen, enquanto a O Despertar da Força ganhou 2 mil milhões de dólares em vendas de bilhetes, o merchandising da Guerra das Estrelas aproximou-se da marca de 5 mil milhões a 6 mil milhões de dólares no seu próprio ano fiscal.

 

Harry Potter

Os filmes de Harry Potter eram um malabarismo financeiro. Quando tudo foi dito e feito, e a franquia tinha sido embrulhada, os filmes tinham feito 7,7 mil milhões de dólares em vendas globais de bilheteira. Mas isso não é nada em comparação com o merchandising. Graças às vendas de livros, brinquedos, cachecóis e uma pequena coisa chamada O Mundo Feiticeiro de Harry Potter, a franquia de merchandising tem um valor estimado de 20 mil milhões de dólares ou mais.

Quando a Universal’s Islands of Adventure em Orlando abriu o seu Wizarding World em 2010, a assistência aumentou 20% e a receita global do parque subiu 41%. Martin Palicki, editor chefe da revista InPark Magazine, notou que uma das maiores razões que a franquia Potter é tão grande tem a ver com o seu vasto apelo. Ele disse ao Los Angeles Times: “Isso significa que [mais] varinhas que se podem vender”.

 

Todos os Filmes do Universo Marvel

Não será surpreendente para ninguém que o Universo Cinematográfico da Marvel tenha feito cerca de 10 mil milhões de dólares em vendas a nível mundial. São filmes da Disney sobre super-heróis. Seria chocante se alguma vez perdessem dinheiro, mas o “dinheiro real” não está nas salas de cinema: está no comércio de merchandising.

Em 2014, o CEO da Disney, Bob Iger, disse à CNBC que a “marca Marvel chegou”. Mas quanto é que a Marvel ganha com os seus acordos de licenciamento? Vários estudos indicam que a Disney ganhou 41 mil milhões de dólares com o licenciamento em 2013, o que é francamente demasiado dinheiro.

 

Toy Story

Os filmes da franquia Toy Story são histórias maravilhosas que se ligam a audiências de todas as idades, trazem alegria até aos cínicos mais duros, e ganham muito dinheiro na venda de merchandising. O terceiro filme da franquia fez 10 mil milhões de dólares em vendas a retalho, levando Bob Iger (CEO da Disney) a anunciar que a empresa estaria a fazer um quarto filme para manter o comboio a andar.

Numa conferência telefónica sobre os lucros do quarto trimestre, Iger disse aos investidores: “Como sabem, Toy Story 3 foi um tremendo sucesso gerando grande aclamação da crítica, bem como mais de mil milhões de dólares em bilheteira global e quase 10 mil milhões de dólares em vendas a retalho demonstrando que estas maravilhosas personagens são claramente tão relevantes e amadas como sempre”. Uau! São números impressionantes!!

 

Parque Jurássico

Os filmes do Parque Jurássico sempre tiveram vendas de merchandising do tamanho do Argentinossauro, mas o licenciamento conseguiu de facto aumentar os ganhos.

Um analista acredita que as vendas de brinquedos do Parque Jurássico estão na lista das mais fáceis do mundo do licenciamento, graças ao facto de as crianças adorarem dinossauros, tornando assim os artigos extremamente fáceis de vender. Projecta-se que a franquia ganhou milhares de milhões com o merchandising do lançamento do filme.

 

Tartarugas Ninja

O reinício das Tartarugas Ninja não incendiou exactamente o mundo quando foi lançado em 2014, mas fez quase meio bilião de dólares e isso não é de menosprezar. Mas o dinheiro real com a franquia Tartarugas Ninja não está nos cinemas (e nunca esteve).

O merchandising sempre esteve associado à marca das Tartarugas Ninja e o filme servir para aumentar os números. Mas, com as vendas a retalho em 2012 quase a exceder as do filme, então porquê continuar a fazer filmes? O analista sénior da Exhibitor Relations Jeff Bock disse a The Wrap, que “não importa o que se pensa de ‘Teenage Mutant Ninja Turtles’, todos temos de concordar que a marca é viável e justifica o investimento”.

 

Transformers

Os filmes dos Transformers não ganharam muito dinheiro, mas a maior parte das verbas que amealhou não veio do preço dos bilhetes. Os estudos indicam que as vendas de bilheteiras dos 3 primeiros filmes renderam 2,6 mil milhões de dólares, o que é muito dinheiro. Mas o grande dinheiro na franquia Transformers vem da venda de merchandising, que foi calculada em 7 mil milhões de dólares.

Este número nem sequer integra as receitas dos vídeos caseiros, que foram apenas $740 milhões de dólares. E quase 50.000 cavaleiros por dia saltam no passeio Transformers 3D nos Estúdios da Universal em Orlando, Hollywood, e Singapura, sendo uma enorme atracção para o parque temático e que inegavelmente atrai fãs.

Cars

Se não acompanhar os recibos das bilheteiras e dos fins-de-semana de abertura, poderá ficar chocado ao descobrir que a franquia Cars não é realmente um grande gerador de dinheiro nos cinemas. O total combinado dos dois primeiros filmes não atingiu um bilião de dólares, algo que muitos filmes a solo fazem numa base regular. Então, porquê continuar a fazê-los?

Um analista de imprensa da Cowen and Co., Doug Creutz, disse que a decisão recai totalmente na excelente performance do merchandising, afirmando ao Los Angeles Times o seguinte: “Este não é o filme de que se esperaria que a Pixar fizesse uma sequela – no entanto, eles fizeram. E a razão é que foi um enorme sucesso de licenciamento”.

Antes de Cars 2 ser lançado em 2011 foi anunciado que o primeiro filme tinha gerado 10 mil milhões de dólares em vendas globais de merchandising desde 2006!

 

Frozen

Não é uma novidade que o filme infantil Frozen foi um enorme sucesso da Disney, acabando com 1,27 mil milhões de dólares na bilheteira, mas o dinheiro real estava no merchandising.

Em 2014, a Disney vendeu 5 mil milhões de dólares em merchandising relacionado com o filme. De facto, as vendas de merchandising da Frozen foram tão bem sucedidas que alguns retalhistas sentiram a tensão de vender demasiados produtos relacionados com Elsa, Anna, e Olaf. A International Licensing Industry Merchandisers’ Association afirmou que os retalhistas estavam a sentir o cansaço da marca ao venderem tantos produtos da mesma.

 

As Cinquenta Sombras de Grey

Em 2017, os 2 primeiros filmes da trilogia As Cinquenta Sombras de Grey já tinham obtido lucros de pouco menos de um bilião de dólares – o que é muito dinheiro, mas não é nada comparado com o montante de receitas geradas pela mercadoria relacionada com Anastasia Steele e Christian Grey.

A série de livros foi amplamente reconhecida como o que salvou a Barnes and Noble da falência, e quase tudo o que podia ser comercializado aos fãs da série foi-lhes vendido a um preço elevado. É seguro dizer que enquanto o comerciante Fifty Shades continuar a vender, E.L. James vai encontrar uma forma de continuar a contar novas histórias sobre Anastasia e Christian.

 

Minions

É quase impossível não encontrar algo relacionado com os Minions nos dias de hoje. Os licenciadores certificaram-se de colocar um Minion em tudo o que podem, de modo a vender ao máximo.

Segundo Stephanie Sperber, a ex-presidente da Universal da área de licenciamento e parcerias, o filme Despicable Me 2 só tinha 250 produtos licenciados, enquanto que o filme a solo Minions tinha uns impressionantes 850 produtos, o que deve estar a trazer muito dinheiro para esta franquia. Ela acrescentou que “não estamos sequer perto do ponto máximo em termos do número de licenças”. A vaca de dinheiro global dos Minions rendeu à Universal pelo menos 2,5 mil milhões de dólares apenas com as vendas a retalho.

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *