Home / Clássicos do Cinema /

10 filmes e documentários sobre futebol que não pode perder

10 filmes e documentários sobre futebol que não pode perder

PrimeVideo
    

Existem inúmeros filmes e documentários sobre futebol em que você pode enfiar os dentes em várias plataformas. Sendo indiscutivelmente o desporto mais popular do mundo e um jogo assistido por bilhões de pessoas em todo o mundo, não deveria ser surpresa que os cineastas tentaram durante anos capturar a essência do futebol no celulóide. Os resultados, no entanto, foram bastante mistos.

Para cada peça clássica do cinema envolvendo um jogo bonito, há muitos outros filmes que parecem muito schmaltzy, muito clichês ou que simplesmente não conseguem transmitir por que razão o futebol significa tanto para tantas pessoas.

Para este artigo, vamos concentrar-nos nos melhores exemplos. Selecionamos 10 dos melhores filmes de futebol já feitos, numa mistura de documentários e filmes dramáticos que com certeza vão capturar a sua atenção e o seu coração do início ao fim, seja como adepto de desporto ou apostadores que utilizam os melhores sites de apostas, disponíveis em https://apostasonline24.net/.

Lista com 10 filmes e documentários sobre futebol

Maradona

Foi um casamento cinematográfico feito no céu. A lenda volátil do futebol argentino Diego Maradona abrindo a sua vida para o diretor sérvio Emir Kusturica, que seguiu El Pibe de Oro por Buenos Aires neste documentário cativante.

O cineasta pode ser acusado de se aproximar um pouco demais do assunto; o entendimento mútuo entre os dois artistas temperamentais às vezes irrita, enquanto Kusturica deliberadamente encobre os detalhes menos saborosos da vida de Maradona em favor da apresentação do mito.

Mas ele é redimido por algumas cenas verdadeiramente brilhantes. Uma entrevista com Maradona dentro de um dos bares cabaret mais notórios de Buenos Aires, rodeado por dançarinas seminuas, é um destaque especial.

Assim como a filmagem do casamento entre dois membros da Igreja de Maradona, no meio do campo do clube Argentinos Juniors, que culmina com a noiva a pegar numa bola de futebol e jogando-a para uma multidão de convidados.

 

George Best: All By Himself

John Battsek (produtor do documentário Hillsborough) e o diretor Daniel Gordon uniram-se novamente em 2016 para se concentrarem na vida de uma das figuras mais carismáticas e trágicas do futebol: George Best.

Milhares de palavras foram ditas sobre a história de Best, sobretudo contando como o seu incrível talento futebolístico se perdeu numa luta crónica contra o alcoolismo.

George Best: All By Himself captura também a essência do grande Manchester United. No filme, há imagens brutas do irlandês do norte, em que o seu charme permeia a tela e a sua habilidade natural para o futebol deixa boquiaberto qualquer espectador.

É fácil ver como esta personalidade vibrante com um talento genial impulsionaram a ascensão de Best a um dos homens mais reconhecidos do planeta. Isso tudo faz que a queda inevitável, da qual falam com sensibilidade e sinceridade aqueles que aparecem no documentário, seja ainda mais exasperante.

 

Zidane: um Retrato do Século 21

São 17 câmaras diferentes focadas no jogador de futebol mais elegante e talentoso da sua geração. Como é possível não amar este documentário?

Zidane: Um Retrato do Século 21 é exatamente isso. Durante 90 minutos, ele é o foco, com cada passo, toque, ataque e passe documentado durante o confronto do Real Madrid com o Villarreal em 23 de abril de 2005, tudo acompanhado pelos acordes melancólicos da banda de rock escocesa Mogwai proporcionando um cenário glorificante.

Qualquer ceticismo sobre assistir ao desempenho de um homem num campo de futebol por 90 minutos é compreensível. Mas o filme atrai o espectador, muito por culpa de uma produção de alta classe e banda sonora estimulante, embora principalmente devido ao próprio Zidane.

Após 90 minutos de maestria, Zidane recebe um cartão vermelho devido a uma briga em grupo no final do jogo. Considerando o que aconteceu no Mundial de Futebol 2006, este filme tornou-se uma metáfora perfeita para a carreira ilustre de um jogador intemporal.

 

Graham Taylor: Um Trabalho Impossível

“Podemos não bater?”

Além de ser retratado como um vegetal na primeira página de um jornal nacional estas palavras surgiram para resumir a gestão de Graham Taylor como chefe da Selecção da Inglaterra. Um homem exasperado com o que viu à sua frente e que ficou perplexo com a pressão de um dos maiores papéis do futebol.

Este documentário resume como os rigores de ser um treinador internacional pode afetar uma pessoa. Quando Taylor e a sua equipa concordaram em ser o tema deste documentário fly-on-the-wall em 1992, poucos teriam previsto que a história seria tão calamitosa.

Inclui reuniões estranhas com jogadores, reclamações na imprensa e visitas a prisões. The Impossible Job ainda hoje é um padrão no mundo do documentário de futebol e a inspiração cómica para o filme de Mike Bassett, intitulado England Manager.

 

Os Dois Escobars

Os programas 30 por 30 da ESPN conquistaram fãs de todas as origens desportivas, devido à produção, pesquisa e narrativa sempre num padrão altíssimo. Quando eles entraram no mundo do futebol, esses padrões foram preservados com o documentário Os Dois Escobars.

Sem surpresa, o filme examina dois Escobars, que não são parentes, apesar de compartilharem o mesmo sobrenome. O chefão das drogas Pablo Escobar era dono de uma equipa de futebol, enquanto Andrés Escobar era um jogador internacional da Colômbia.

Os dois ganharam enorme popularidade em sua terra natal, embora suas rotas para a ressonância não pudessem ser mais polarizadoras.

O documentário analisa como os mundos de ambos os Escobars se entrelaçaram nos anos 90 e como um erro de Andrés o Mundial de Futebol 1994 contra os Estados Unidos acabaria resultando em circunstâncias trágicas.

 

 

Fuga Para a Vitória

O que você pode dizer sobre um filme ambientado num campo de prisioneiros de guerra nazi e protagonizado por Sylvester Stallone, Pelé e Michael Caine?

Pode não ser o filme mais polido de todos os tempos a passar no grande ecrã, mas Fuga Para a Vitória oferece muita diversão para aqueles que estão dispostos a suspender um pouco a sua descrença no desporto mais popular do Mundo.

O enredo mostra Caine no papel de um prisioneiro de guerra britânico e ex-jogador de futebol profissional, forçado a organizar um jogo de exibição contra os guardas, num evento que rapidamente se transforma num golpe publicitário para as autoridades alemãs.

Contra todas as probabilidades, o lado desorganizado, reforçado pela inclusão de Pelé e da maior parte da equipe titular do Ipswich Town no início dos anos 1980, recuperou de 4-1 para garantir um empate angustiante.

Além disso, os heróis aproveitam a invasão do campo ao apito final para escapar das garras dos seus captores, com Stallone provocando a loucura com uma defesa francamente improvável que mantém o nível de jogo. Imperdível.

 

Penalidade Máxima

Assimilando amplamente a mesma premissa de Fuga Para a Vitória, o filme Penalidade Máxima muda o cenário de um campo de prisioneiros de guerra para uma prisão britânica moderna e sombria, tendo como principal protagonista o ator e ex-jogador de futebol britânico Vinnie Jones.

Neste remake do filme de futebol americano The Longest Yard, Jones interpreta um ex-capitão da Inglaterra que é assombrado por acusações de manipulação de resultados enquanto a sua carreira entrava em parafuso.

Uma agressão a um polícia leva-o a ser espancado ao lado de condenados que se ressentem da sua traição e estilo de vida com champanhe, mas ele encontra a redenção depois de ser amarrado para treinar os seus amigos presidiários contra os guardas.

A partir desse ponto, o filme é bastante previsível, com o azarado-chega-para-ganhar que vimos em milhões de filmes de desporto, mas a jornada e os personagens desordenados da prisão mantêm a ação leve e enérgica. Destaque para Jason Statham, que adota um sotaque escocês quase ininteligível para interpretar o guarda-redes ressentido e obcecado por artes marciais.

 

Goal! (Trilogia)

Esta maratona de 300 minutos podia muito bem ser apelidada de O Senhor dos Anéis do futebol profissional. Em 3 filmes, Goal! traça a história de Santiago Munez, um imigrante mexicano que mora em Los Angeles e trabalha como jardineiro, mas sonha em tirar o máximo proveito do seu incrível talento em campo.

Os seus sonhos tornam-se realidade quando ele ganha a oportunidade de fazer um teste no Newcastle United. E enquanto ele luta com a chuva e o frio do Nordeste britânico, Munez lentamente constrói a sua reputação no país adotivo.

Há muitos momentos em câmara lenta e muitos golos agonizantes no último minuto, com Santiago garantindo ao Newcastle uma vaga na Liga dos Campeões, provando de vez o seu valor.

Os próximos filmes ilustram uma mudança para o Real Madrid, uma participação em fases finais do Mundial do Futebol e, como o título provavelmente sugere, não faltam golos, golos e mais golos. A trilogia não aparecerá na lista de favoritos de nenhum crítico, mas o rendimento global de mais de US $ 35 milhões para os dois primeiros filmes provaram que os filmes de futebol podem atrair o público.

 

Febre de Bola

 

Muitos críticos consideram esta obra sobre um adepto do Arsenal, cuja vida gira em torno do seu clube, como um estudo exemplar do fenómeno do fanatismo da classe média, já que os acontecimentos nos últimos 20 anos forçaram o futebol a diversificar-se além da sua base tradicional de seguidores.

Com o título original de Fever Pitch, baseado no livro de Nick Hornby com o mesmo nome, o filme segue o protagonista Paul (Colin Firth) enquanto ele concilia um trabalho como professor e um relacionamento recém-florescido com o seu amor pelos Gunners, uma paixão que o paralisa nos dias de jogos.

A ação culmina com Paul a assistir ao desafio entre o seu amado clube e o Liverpool no último jogo da temporada, refletindo a final em 1989, quando o clube londrino marcou nos descontos para ganhar o título.

É um filme envolvente e cativante, que não deve ser confundido com um remake terrível estrelado por Jimmy Fallon e Drew Barrymore, que muda o foco para Boston e os Red Sox.

 

Pega na Bola, Passa a Bola

O Barcelona de Pep Guardiola é considerado por muitos como a melhor equipa da história do futebol. Não só tiveram sucesso, como conquistaram o futebol espanhol e europeu com bravura, contando com um Lionel Messi inspirado, sendo na altura indiscutivelmente o melhor jogador do Mundo.

Pega na Bola, Passa a Bola é o relato definitivo de como surgiu essa máquina fluida do futebol. O documentário analisa a ascensão em escala de Messi, sendo bastante cativante, assim como olha para a luta de Eric Abidal, que foi alvo de um transplante de fígado, até ao erguer final da Liga dos Campeões.

O documentário também tem outra vantagem. A rivalidade entre Guardiola e o então técnico do Real Madrid, José Mourinho, é examinada ao detalhe, com este último tomando medidas extraordinárias na tentativa de descarrilar os Blaugrana.

 

LEIA TAMBÉM: 10 documentários sobre futebol que precisa de ver agora

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *