Home / Cinema Europeu /

Morangos Silvestres de Ingmar Bergman: beleza e redenção em filme

Morangos Silvestres de Ingmar Bergman: beleza e redenção em filme

Share this article

1957 foi um ano crítico para Ingmar Bergman. Trabalha profusamente como quem precisa preencher um vazio. Um vazio cada vez mais fundo, buraco negro sugando toda a sua dedicação e energia. Lança duas obras primas e embrenha-se na produção teatral de Peer Gynt de Henrik Ibsen.

1957 é o ano de estreia d’ O Sétimo Selo nas salas, sua magnífica forma de lidar com o medo da morte que sempre o acossou. É o ano em que escreve e realiza Morangos Silvestres, filme belo e redentor, que conta a história de Isak Borg (Viktor Sjostrom), médico e professor reformado de 78 anos que se prepara para receber uma distinção por seus 50 anos de carreira.

Isak é frio e distante, não se relaciona vivendo solitário em sua casa com a governanta Agda, companhia prática que lhe resolve o quotidiano e um ou dois furos emocionais mais superficiais.

A cerimónia distintiva é em Lund e o voo está marcado, mas Isak muda de ideia após um sonho em que se vê morto e resolve-se por uma viagem de carro com sua nora Marianne (Ingrid Thulin) que hospedava por um tempo.

Durante a viagem, Isak se revisita, toca na memória entendendo o presente gelado, abre-se com Marianne que o ouve serena e autêntica, presença reconfortante com toques de grande humanidade.

Morangos Silvestres é um filme ternurento que remexe a existência como um caldo de decisões e acontecimentos, coisas que nos marcam e nos dão caminho. Viktor Sjostrom (realizador sueco da época muda que tanto influenciou Bergman) como Isak traz-nos o peso da vida, o peso da morte e diz-nos, de alguma forma, que não faz mal, que tudo acabará aceite pela força das boas memórias.

Sua atuação é ímpar e culmina num dos close-up mais marcantes da história do cinema, cheio de entrega, aquece-nos o âmago e ilumina-nos a gruta, muitas vezes escura, da existência.

A arte é isto. Bergman dispersa-se pelos seus personagens e fala-nos de si, tão fundamente que nos toca a todos.

 

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *