Home / Atores /

Atores indicados ao Óscar que passaram pouco tempo no ecrã

Atores indicados ao Óscar que passaram pouco tempo no ecrã

 

Todos os anos, em meados de fevereiro, o mundo do cinema fica agitado com o frenesim provocado pela cerimónia dos Óscares. Os mais interessados tentam ver todos os filmes indicados ao Óscar para as categorias principais e, chegado o dia da entrega dos prémios, fazem celebrações para assistir à cerimónia e verem os seus favoritos receberem (ou não) a estatueta dourada.

Porém, por vezes, nem temos a noção de que certos atores nomeados para as categorias de melhor representação estiveram, de facto, pouquíssimo tempo em cena. Alguns apareceram no ecrã cerca de quinze minutos mas mesmo assim conseguiram levar para casa um Óscar. Foi o caso de Anne Hathaway em 2013, ano em que recebeu o Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário pela sua interpretação de Fantine no musical Les Miserábles.

Neste post, falamos por isso de atores indicados ao Óscar mas que ainda assim só apareceram menos de vinte minutos no filme que lhes valeu a nomeação.

10 atores indicados ao Óscar que passaram menos de 20 minutos no ecrã

Anthony Hopkins – The Silence Of The Lambs (1991)

Tempo no ecrã: 16 minutos

Nem sempre é fácil medir quanto tempo Sir Anthony Hopkins passou no ecrã no filme The Silence of the Lambs de Jonathan Demme como Dr. Hannibal Lecter. Embora alguns relatórios lhe dêem 12 minutos, outros dizem que passou pouco menos de 16 minutos em cena. Porém, de uma coisa não há dúvida: Hopkins ganhou o Óscar de Melhor Ator em 1992 passando definitivamente menos de 20 minutos em cena.

Anne Hathaway – Les Misérables (2012)

Tempo no ecrã: 15 minutos

Como já referimos na introdução deste post, em 2013 Anne Hathaway ganhou o Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário pela sua interpretação no filme Les Misérables de Tom Hooper. Embora só apareça na primeira parte do filme – que tem 158 minutos – Hathaway conseguiu dar tal vida a Fantine, perdendo mais de 20 quilos para o papel e cortando o seu cabelo, que o júri não ficou com dúvidas e lhe deu a estatueta.

David Niven – Separate Tables (1958)

Tempo no ecrã: 15 minutos, 38 segundos

David Niven ganhou o seu primeiro e único Óscar de Melhor Ator em Papel Principal pela sua participação no filme Separate Tables de Delbert Mann, no qual interpreta Major Pollock, um veterano de guerra cujo passado oculto vem à luz quando vários inquilinos e convidados se reúnem num hotel à beira-mar na época baixa.

Ingrid Bergman – Murder On The Orient Express (1974)

Tempo no ecrã: 14 minutos, 18 segundos

Em 1975, Ingrid Bergman ganhou o seu primeiro Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário pela adaptação do livro de Agatha ChristieMurder On The Orient Express, realizado por Sidney Lumet. Ainda que não tenha aparecido mais do que quinze minutos, a cena em que entra – um interrogatório filmado num único take – valeu-lhe a estatueta dourada.

Ruby Dee – American Gangster (2007)

Tempo no ecrã: 10 minutos

 

Numa carreira ilustre que se prolongou por quase 70 anos, Ruby Dee deixou uma marca indelével em Hollywood. Em 2008, foi recompensada com a sua primeira (e única) nomeação a um Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário pela sua breve mas memorável interpretação no filme American Gangster de Ridley Scott, onde dá vida à mãe da personagem interpretada por Denzel Washington.

Gloria Grahame – The Bad And The Beautiful (1952)

Tempo no ecrã: 9 minutos, 32 segundos

Com uma participação que não chegou sequer aos 10 minutos de filme, Gloria Grahame bateu o recorde por ter ganho um Óscar com a interpretação mais curta de sempre. Com o filme The Bad and the Beautiful de Vincente Minnelli, ganhou o Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário ao dar vida à personagem de Rosemary. Esta foi uma posição que manteve durante quase 25 anos, até Beatrice Straight quebrar o recorde novamente.

Judi Dench – Shakespeare In Love (1998)

Tempo no ecrã: 8 minutos

Durante a 71.ª Cerimónia dos Óscares, a atriz Judi Dench ganhou o Óscar de Melhor Atriz em Papel Secundário por interpretar a rainha Elizabeth I no filme Shakespeare in Love de John Madden. Dench reconheceu a brevidade do seu papel ao aceitar a estatueta, dizendo mesmo no seu discurso que “acho que por 8 minutos no ecrã devia receber apenas um bocadinho da estatueta.”

Viola Davis – Doubt (2008)

Tempo no ecrã: 8 minutos

Mais uma vez, as contas variam sobre a quantidade de tempo que Viola Davis passou no ecrã na adaptação para o cinema da peça de teatro Dúvida, de John Patrick Shanley. As estimativas dizem que a sua aparição varia entre cinco a oito minutos. Ainda assim, uma coisa é certa: Viola Davis aproveitou cada segundo para fazer uma excelente interpretação de uma mãe que tem medo que o seu filho esteja a ser vítima de abusos sexuais.

Beatrice Straight – Network (1976)

Tempo no ecrã: 5 minutos, 40 segundos

Em 1977, Beatrice Straight quebrou o recorde de Gloria Grahame ao tornar-se vencedora de um Óscar com a menor quantidade de tempo no ecrã. Durante a 49.ª Cerimónia dos Óscares, Straight foi nomeada como Melhor Atriz Secundária pela sua breve mas poderosa performance como Louise Schumacher, a esposa abandonada da personagem de William Holden no filme Network de Sidney Lumet.

Hermione Baddeley – Room At The Top (1959)

Tempo no ecrã: 2 minutos, 20 segundos

Se Hermione Baddeley tivesse ganho o Óscar pela sua performance no filme Room at the Top de Jack Clayton, teria quebrado todos os recordes e criado um precedente muito difícil de bater. A atriz foi indicada para a categoria Melhor Atriz em Papel Secundário mesmo tendo aparecido apenas 2 minutos e vinte segundos no ecrã.

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *