Home / Atores /

Leonardo DiCaprio: uma longa jornada até ao Óscar

Leonardo Dicaprio

Leonardo DiCaprio: uma longa jornada até ao Óscar

Nascido no dia 11 de novembro de 1974, em Los Angeles, Leonardo DiCaprio teve um início de vida ligeiramente atribulado: o divórcio dos pais. Na sequência da separação, o jovem DiCaprio ficou a viver com a mãe mas continuou a manter uma relação próxima com o pai, um artista de banda desenhada. Foi pela insistência dos progenitores que começou, aliás, a explorar o seu lado mais criativo.

“Adorava imitar as pessoas…  E adorava brincar com os meus pais e criar personagens diferentes”, revelou Dicaprio em declarações à imprensa. Porém, não teve muito sucesso em Hollywood até alcançar a adolescência.

No início dos anos 1990, no entanto, Leonardo DiCaprio começou a fazer trabalhos de televisão regulares, mais precisamente nas séries The New Lassie e Roseanne. Também conseguiu um papel na série de comédia dramática The Parenthood, onde conheceu o ator e amigo, Tobey Maguire. Em 1991, a sua carreira dá um salto para a frente quando é escolhido como semi-regular na comédia familiar Growing Pains, com Kirk Cameron e Alan Thicke.

Provando aos críticos que era mais do que um um adolescente com “carinha bonita”, DiCaprio prova o seu valor ao contracenar ao lado de Robert De Niro no filme A Vida Deste Rapaz. O filme investiga a relação difícil entre um rapaz e o seu padrasto abusivo.

DiCaprio volta a ser aplaudido com o filme Gibert Grape (1993), onde surge no ecrã ao lado de Johnny Depp. O seu retrato de uma criança com uma deficiência mental valeu-lhe de imediato uma nomeação para o Óscar de melhor ator secundário. Seria a primeira de muitas nomeações.

Nos anos que se seguiram, DiCaprio continuou a participar em filmes interessantes e diversificados: é o protagonista do drama adolescente The Basketball Diaries e trabalha com Russell Crowe, Sharon Stone e Gene Hackman no western The Quick and the Dead em 1995. Em Romeo + Juliet (1996), versão moderna de Baz Luhrmann da trágica história de amor de William Shakespeare, desempenha outra personagem marcante para a sua carreira: Romeu.

E, por falar em histórias de amor trágicas, falamos obviamente de Titanic.

O navio que levou Leonardo Dicaprio a todo o mundo

É em Titanic de James Cameron que Leonardo DiCaprio consegue o reconhecimento internacional, atuando ao lado de Kate Winslet. No filme, vive um romance a bordo do famoso navio transatlântico que naufragou quando fazia a viagem entre Inglaterra e os Estados Unidos da América, em 1912. O filme, que contou com um orçamento de 200 milhões de dólares, levou para casa 11 Óscares na cerimónia em 1998.

Depois de Titanic, seguem-se na carreira de Dicaprio alguns filmes que não conseguem igualar com o sucesso anterior. É o caso  de O Homem da Máscara de Ferro (1998) e A Praia (2000), que provaram ser grandes desilusões tanto a nível financeiro como artístico. No entanto, DiCaprio não demorou muito a recuperar. De novo demonstrou o seu valor como ator com Apanha-me se puderes e Gangues de Nova York. O último filme foi o primeiro de muitos projectos entre DiCaprio e o famoso realizador Martin Scorsese.

Em O Aviador (2004), DiCaprio assume o desafio de interpretar um dos milionários mais famosos dos Estados Unidos, recebendo assim outra nomeação para o Óscar de Melhor Ator. Em 2006, protagoniza Os Infiltrados e Diamantes de Sangue, que lhe vale a sua terceira nomeação. Entretanto, apesar de continuar a somar nomeações, sai sempre derrotado da cerimónia dos Óscares.

Em 2008, DiCaprio volta a encontrar-se com Kate Winslet para o filme Revolutionary Road, uma história tensa sobre um casal suburbano dos anos 1950 que enfrenta uma miríade de problemas pessoais. Em 2010, junta-se ao realizador Christopher Nolan para fazer o filme Inception, onde a tecnologia permite a invasão de sonhos de outras pessoas. Nesse mesmo ano, DiCaprio dá também vida à personagem principal de Shutter Island (uma vez mais realizado por Scorsese).

Em 2011, veste a pele de J. Edgar Hoover, o diretor do FBI durante cinco décadas e tem a oportunidade assim de trabalhar com o realizador Clint Eastwood. Em 2012, DiCaprio aparece como um proprietário de escravos no oeste americano, no filme Django Unchained, de Quentin Tarantino. E, logo no ano seguinte, voltou a trabalhar com Luhrmann para dar vida a outra personagem intrigante da literatura, O Grande Gatsby, na adaptação do clássico de F. Scott Fitzgerald. Em 2013, junta de novo forças com Scorsese para o drama O Lobo de Wall Street.

Por fim, em 2015, DiCaprio protagoniza o filme The Revenant, realizado por Alejandro González Iñárritu, e não tarda a ganhar uma série de elogios pela sua interpretação. Pela altura em que ganha o Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator em Papel Principal, começa-se a acreditar que este será finalmente o ano em que a Academia o vai distinguir com um Óscar. E é exatamente isso que acontece no dia 29 de fevereiro de 2016, quando sobe ao palco para receber uma estatueta dourada pela sua interpretação em The Revenant.


 

ARTIGOS RELACIONADOS

     

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *