Home / Documentários /

Ronaldo: o lado mais intimista do melhor do mundo

ronaldo

Ronaldo: o lado mais intimista do melhor do mundo

Há já alguns meses que estava marcada a estreia para o documentário biográfico sobre a vida de Cristiano Ronaldo. Craque do futebol, capitão da seleção nacional portuguesa e um dos maiores trunfos do Real Madrid, o madeirense que deixou a ilha para ir viver para Lisboa e integrar na equipa de júniores do Sporting tornou-se um ícone do futebol português (e até mesmo um ícone no Facebook). Até hoje, foi premiado com 3 Bolas de Ouro, é considerado um dos melhores atletas do mundo e, pela primeira vez, partilha o lado mais intimista da sua vida através de um documentário.

A estreia do documentário Ronaldo aconteceu no dia 9 de novembro de 2015, em Leicester Square, Londres. A cerimónia, antes da exibição do filme, reuniu Cristiano Ronaldo e a sua família, assim como a imprensa e personalidades distintas do futebol, como o próprio José Mourinho. Às 19 horas, em simultâneo com mais de 300 salas de cinema por todo o mundo – das quais cerca de 25 eram portuguesas – foi então transmitido o mesmo documentário. Uma sessão única para o filme inédito.

Não foi ao cinema ver o filme Ronaldo? Não se preocupe. O mesmo documentário sobre a vida do futebolista chegou às lojas no mesmo dia, nos formatos DVD e Blu-Ray.

O que encontrar no documentário Ronaldo?

O documentário Ronaldo estende-se por mais de 100 minutos que fazem o seu melhor para retratar a história desportiva e pessoal do futebolista. Mas se está à espera de encontrar sobretudo imagens de jogos emblemáticos que consagraram Cristiano Ronaldo na história do futebol, fique então a saber que são poucas as filmagens deste cariz. Com a realização de Anthony Wonke, a película dá enfoque ao Cristiano Ronaldo que existe para além do 7 na camisola que veste.

1507-1 (1)Ronaldo mostra cenas da vida privada do atleta, assim como entrevistas  àqueles que lhe são mais próximos. Um dos momentos mais tocantes do filme é, talvez, o de Dolores Aveiro, mãe do atleta, que de forma emocionada relata o dia em que mandou o filho mais novo, com então 12 anos, para Lisboa, para aí ter uma oportunidade de construir uma vida melhor que a sua. Este instinto maternal, onde tudo terá começado, provou estar mais do que certo.

A figura paterna, Dinis Aveiro – falecido em 2005, na sequência de problemas de saúde relacionados com alcoolismo – constitui também um capítulo importante do filme. Através de relatos e fotografias da infância de Cristiano Ronaldo, é descrita a relação entre pai e filho e usada de forma tocante para descrever o lado paternal (e recente) do próprio Cristiano Ronaldo.

O lado mais pessoal – que os jornais e revistas nos têm mostrado de Cristiano Ronaldo – é também matéria presente no documentário: as namoradas, as festas polémicas, os carros e as casas de luxo. E, claro está, não fica de fora a rivalidade com Lionel Messi – que tem inclusive o seu próprio documentário – e que merece também alguma atenção do futebolista.

Ronaldo: um documentário para os fãs

“As pessoas que me conhecem não se vão surpreender.” Disse Cristiano Ronaldo, em conferência de imprensa. “Eu sou assim, não mudo consoante as pessoas, o ambiente, com câmaras ou sem câmaras”.

Este é um documentário para os fãs e para aqueles que nunca simpatizaram consigo. As pessoas “vão ter oportunidade de ver realmente que, para alcançar alguma coisa grande, tem de haver sacrifício e ajudas, obviamente, tem de ter uma família boa e amigos especiais”, acrescentou Ronaldo.

“É isso que praticamente vão ver no filme, a minha conexão com a família, com os amigos, com o meu filho, e os momentos que eu vivo na vida, intensos, fora do futebol e dentro do futebol também”, resumiu.

Para os mais curiosos, respondemos já a uma pergunta feita por muitos fãs: Cristiano Ronaldo dá resposta ao seu segredo mais íntimo?  Não, não dá. A identidade da mãe de Cristiano Júnior – que é totalmente desconhecida e debatida por todo o mundo – é um mistério que o jogador de futebol continua a manter em privado. No entanto, garante que, um dia, tal segredo será revelado ao filho. Ao público, no entanto, não há sequer a promessa de que tal revelação venha a ser feita.

Veja o trailer oficial aqui:

O processo de realização do filme

Anthony Wonke não é um nome estranho no mundo do cinema documental. Galardoado com inúmeros prémios cinematográficos, entre os quais um BAFTA, aceitou de bom grado o desafio de retratar a vida de Cristiano Ronaldo. Mas este não seria um desafio fácil ou sequer de rápida conclusão. As rotinas constantes de Cristiano Ronaldo ditaram o ritmo das filmagens.

As gravações de Ronaldo demoraram mais de 14 meses. Neste período de tempo, as câmaras de Wonke e da sua equipa tiveram acesso à vida privada do futebolista, a oportunidade para privar com a sua família, amigos e até mesmo com a ex-namorada, Irina Shayk. De Londres as câmaras foram para a Madeira e da Madeira para Lisboa e, eventualmente, Madrid, passando por cada um dos pontos que fez de Cristiano Ronaldo o homem que é hoje.

O processo de edição não foi também simples. Confrontados com dezenas de horas de filmagens e imagens de arquivo, a equipa de Anthony Wonke deixou de fora parte da vida do futebolista. Um dos cortes mais notáveis, que os fãs poderão notar com facilidade, é a exclusão de imagens com a antiga namorada Irina Shayk, cuja relação terminou em janeiro de 2015.

A produção executiva do filme esteve a encargo de Paul Martin, James Gay-Rees e Asif Kapadia, tendo este último vencido dois prémios BAFTA. Um deles, pelo filme The Warrior, em 2003; e um segundo, em 2010, pelo documentário Senna sobre o brasileiro Ayrton Senna, conhecido condutor de carros de corrida. Mais recentemente, Kapadia foi ainda elogiado pela forma brilhante como capturou a vida da artista britânica Amy Winehouse, no documentário Amy.

Compre o documentário Ronaldo na Fnac ou na Amazon

Partilhar este artigo

Comentários

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *