Home / Cinema Europeu /

Fahrenheit 451 de François Truffaut: Uma sociedade sem memória

Fahrenheit 451 de François Truffaut: Uma sociedade sem memória

Pedro Vilar
by Pedro Vilar

Share this article

Em 1966, François Truffaut, nome maior da nouvelle vague francesa, lança Fahrenheit 451, seu único filme falado em inglês. A história é adaptada do livro homónimo de Ray Bradbury, representando uma sociedade distópica convincente, onde bombeiros do avesso lançam chamas a livros de forma missionária, como quem expurga maus pensamentos.

Livros são inimigos, causam mal estar à consciência. As paredes são revestidas a televisores que tudo informam, os jornais impressos são figurativos e as esposas anestesiam-se como donas de casa no sofá participando da novela. Comprimidos numerados, transfusões de sangue, a amante e a esposa são a mesma pessoa em circunstâncias diferentes.

Guy Montag (Oskar Werner, Jules em Jules et Jim), figura principal, é bombeiro por conforto e leva uma vida pacata, conformada com sua esposa Linda (Julie Christie). Montag nunca leu os livros que queima, no entanto, sabe encontra-los como ninguém.

Cheira-os, apalpa-os, sabe-lhes a forma, o esconderijo ideal, mas desconhece sua essência por completo. Tem medo e comodidade, até ao dia em que conhece Clarisse (também Julie Christie), mulher subversiva, apaixonada por livros que lhe instala a dúvida. Porque nunca leu?

Longe de ser o filme mais forte de Truffaut, é uma quebra na tendência, um passo no desconforto com a coragem de quem sabe perder, por isso arrisca. Sua obra é marcada pelo inesperado, por filmes diferentes onde se esmiuça uma linha, uma personalidade, uma independência ímpar que sabe o caminho.

Truffaut foi miúdo rebelde como Antoine Doneil em Les quatre cents coups e quebrou, várias vezes, sua própria tendência como um acossado, como um perseguido pelo conforto que almeja e o conforto que não quer.

Fahrenheit 451, é um filme bem interessante com várias intersecções com a contemporaneidade. Uma fotografia apelativa com a direcção de Nicolas Roeg e várias nuances brilhantes ao estilo de Truffaut. Uma sociedade sem memória, apática no vai e vem do dia-a-dia e que dispensa a dúvida como força que deslinde a ambiguidade da natureza humana.

POSTS RELACIONADOS

 

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *